CHEGA! PAREM DE MATAR NOSSXS ALUNXS!

gep

PAREM DE MATAR XS FILHXS DA CLASSE TRABALHADORA!
2 de Abril de 2015. Um dia após completarmos 51 anos do golpe empresarial-militar ocorreu um fato emblemático no tão propagandeado processo de “pacificação” que o Governo do Rio de Janeiro vem promovendo nos últimos anos de gestão do PMDB, com incentivos fiscais bilionários do Governo Federal. A operação da PM no Alemão assassinou algumas pessoas, dentre elas, o menino de 10 anos Eduardo de Jesus Ferreira. No dia anterior outras quatro pessoas foram executadas, dentre elas a educadora Elisabeth Alves, de 41 anos, que trabalhava como porteira de uma creche dentro do Complexo do Alemão.

Precisamos estar atentos, pois o que ocorreu no dia 2 de Abril de 2015 está longe de ser um caso isolado, infelizmente. Nós do GEP – Grupo de Educação Popular – composto por educadorxs e militantes de movimentos sociais atuantes em favelas, buscamos a todo instante ao longo dos anos de existência do Grupo, combater, denunciar e estar ao lado do povo que sempre foi o mais massacrado pela PMERJ. No Morro da Providência, onde funcionam o Pré-Vestibular Machado de Assis e a Alfabetização de Adultos e Adultas, já presenciamos operações com mortes de moradores da favela, alguns parentes de nossos alunos.

É importante deixar claro que numa sociedade onde a polícia que humilha e mata trabalhadorxs na favela, subúrbio e periferias desde sempre, é a mesma polícia que protege a burguesia nos bairros nobres, é a mesma que reprime as manifestações populares, e ao mesmo tempo é a aquela que nos últimos tempos está dentro de muitas escolas estaduais, para coagir e também reprimir funcionários e estudantes de forma geral das escolas públicas. Todxs filhos e filhas da classe trabalhadora.

É necessário para nós, enquanto militantes e educadorxs, evidenciar o que representa essa pacificação. Pacificação das vozes, dos corpos, fundamentalmente jovens, negros e das favelas. Não há UPP na Vieira Souto, por exemplo. Ela criminaliza diretamente um determinado publico, faz parte de um projeto político extremamente racista, preconceituoso e genocida contra o povo negro e nordestino das favelas.

O menino Eduardo de Jesus Ferreira que era aluno do CIEP Maestro Francisco Mignone, em Olaria, e a educadora Elisabeth Alves, são mais duas dentre tantas vítimas diárias do braço armado do Estado. Assim como o Governador Pezão pronunciou que não irá recuar nesse processo assassino de “pacificação” das comunidades do Rio de Janeiro, é necessário que os movimentos sociais, principalmente aqueles ligados às comunidades, se organizem e avancem para enfrentar mais essa ofensiva oficial do Estado contra a classe trabalhadora das favelas e periferias.

A educação libertária e popular é apenas mais um instrumento que temos contra o Estado diante de tamanha repressão, mas a construção do poder popular passa pela educação dialógica, para que a organização contra as instituições do Estado que historicamente existem para explorar e massacrar xs trabalhadrxs seja uma organização efetiva na prática cotidiana.

Chega de Chacina! Polícia assassina!
GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR – ABRIL DE 2015gep 2

Liberdade para Luis Fernando Sotelo, preso na Jornada Global por Ayotzinapa!

Do Rio de Janeiro, Brasil, enviamos nossa solidariedade ao companheiro LUIS FERNANDO SOTELO ZAMBRANO, 19 anos, preso político desde o dia 5 de novembro, acusado de incendiar o metrô na TERCERA JORNADA GLOBAL POR AYOTZINAPA.

Exigimos a LIBERDADE IMEDIATA de nosso companheiro preso no presídio sul da Cidade do México. Sabemos que assim como no Brasil, com xs 23 perseguidos políticos do Rio de Janeiro e os milhares de negrxs e pobres presxs, no México e em todo o mundo, o Estado atua da mesma maneira: criminalizando e encarcerando os que lutam, tentando calar os povos indígenas e negros em resistência.

Mas, não vão calar nossas vozes, nossa luta segue e não tem fronteiras! Liberdade já! Ninguém fica pra trás!
GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP).

Libertad para Luis Fernando Sotelo, preso en la Jornada Global por Ayotzinapa!

Desde Río de Janeiro, Brasil, enviamos nuestra solidariedad al compañero LUIS FERNANDO SOTELO ZAMBRANO, 19 años, preso desde el 5 de noviembre, acusado de incendiar el metrobús dentro de la TERCERA JORNADA GLOBAL POR AYOTZINAPA.

Exigiemos la LIBERTAD INMEDIATA de nuestro compañero preso en el reclusorio sur de la Ciudad de México. Sabemos que así como en Brasil, con lxs 23 perseguidxs políticos de Rio de Janeiro y los miles de negrxs y pobres presxs, en México y en todo el mundo, el Estado actúa de la misma manera: criminalizando y encarcelando lxs que luchan, intentando silenciar los pueblos indígenas y negros en resistencia.

Pero no van callar nuestras voces, nuestra lucha sigue y no tiene fronteras! Libertad ya! Si tocan a unx, tocan a todxs!

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP).

Convocatoria de apoyo a lxs 23 perseguidxs políticos de Rio de Janeiro, Brasil!

Convocamos organizaciones y personas de izquierda y desde abajo del mundo a hacer manifestaciones y escribir cartas de solidariedad a nuestros 23 compas perseguidxs y exigiendo la libertad de Igor Mendes y Rafael Braga!

euapoioos23El 12 de julio de 2014, el dia antes de la final de la Copa Mundial de la FIFA, la Policía Civil de Río de Janeiro, Brasil, acusó a 23 activistas de organizar “actos violentos” en manifestaciones, de los cuales 18 fueron mantenidos en prisión en cárceles de máxima seguridad, en una operación que incluye violaciones de la intimidad de los hogares y la dignidad de las presas y sus familias. En una conferencia de prensa celebrada en la Ciudad de la Policía en el mismo día, panfletos, periódicos y banderas de movimientos populares fueron expuestos como “evidencia” del éxito de la Operación llamada Firewall 2, exhibiendo el carácter político no solo de la acción policial, sino que de toda la investigación. Decenas de activistas y sus familias han tenido sus teléfonos intervenidos durante meses, incluyendo los de los abogados cuyas conversaciones con sus clientes también han sido escuchadas. En los días siguientes, esos luchadores han permanecido encarcelados en una prisión de máxima seguridad, sufriendo abusos y torturas. Particularmente crítica fue la situación de una compañera menor de edad que fue sometida a tortura todos los días del cautiverio por agentes del Estado.

Los 23 son maestros que estuvieron activos en la huelga por la educación pública, educadores que trabajan con educación popular en las favelas, estudiantes activos en el movimiento estudiantil, o simplemente manifestantes frecuentes en las protestas contra el mundial. Todos perseguidos por el Estado, que los acusa de “formación de cuadrilla armada”, sin ninguna prueba concreta. Todo el proceso se basa en testimonios de policías federales infiltrados sin autorización judicial y personas motivadas por desacuerdos personales con los acusados. Escuchas telefónicas y mensajes en las redes sociales son manipulados con el fin de implicar la existencia de una supuesta “banda armada”; mientras que varios de los acusados ni siquiera se conocían antes de la detención. Sin presentar pruebas, los libros se transforman en cócteles Molotov y las plumas en armas y hasta el anarquista ruso Bakunin que vivió en el siglo XIX fue incluido en la lista de sospechosos. Sabemos en realidad que el único crimen que cometieron fue luchar contra los poderosos, buscando la construcción de otro mundo a la izquierda y desde abajo.

Actualmente de los 23 denunciados, 20 están en libertad provisional debido al habeas corpu sinterpuesto por la defensa, pero que, sin embargo, restringe la libertad de los compas que no pueden salir de la ciudad de Río de Janeiro o siquiera participar de cualquier manifestación política. Las consecuencias fueron las más dañinas. Igor Mendes, por estar presente en una actividad cultural pública promovida por la FIP el 15 de octubre del año pasado, está preso desde hace más de dos meses; y las activistas Elisa Quadros y Moa se encuentran en la clandestinidad desde diciembre del año pasado por haber participado también en tal actividad. Para otros, uno de los efectos de dicha restricción ha sido el desplazamiento forzoso a otros lugares de trabajo o escuelas, como en el caso de aquellos que eran maestros en ciudades fuera de Río de Janeiro.

Hay también el caso de Rafael Braga detenido el 20 de junio de 2013 durante las gigantescas manifestaciones populares en Río de Janeiro por llevar una botella de desinfectante y otra con lejía; estos materiales fueron considerados artefactos explosivos por el Ministerio Público. Rafael Braga, pobre y negro, es el primer preso político condenado de Brasil de las manifestaciones de junio.Como él, miles de personas pobres y negras siguen en las cárceles, mientras los verdaderos criminales siguen en libertad en el congreso nacional y en las grandes empresas. El joven Rafael fue condenado a cinco años de prisión en régimen de aislamiento y en julio del año pasado conquistó el derecho de cumplir su sentencia en régimen semiabierto. Pero, siguimos luchando por su libertad absoluta!

Es evidente que el propósito de la judicatura y del Estado es callar las voces de lxs que luchan. De lxs que dicieran NO a los gastos abusivos con el Mundial, defiendendo la educación y la salud para el pueblo! De lxs que van seguir en las calles protestando contra los desalojos y los gastos de las Olimpíadas de 2016!

Nuestra lucha no tiene fronteras!

Grupo de Educação Popular (GEP).
Correo: grupodeeducacaopopular@gmail.com

Todo apoio as mulheres que lutam! Carta de acolhimento a compa Ana Cristina Alves.

Todo apoio as mulheres que lutam! Carta de acolhimento a compa Ana Cristina Alves.

Um dos pressupostos fundamentais na militância de esquerda é a solidariedade entre xs companheirxs. Nós, do Grupo de Educação Popular, na ocasião em que uma de nossas companheiras, Ana Cristina Alves, sofreu perseguições politicas por parte do Estado enquanto professora grevista em 2014, não tivemos a atenção e sensibilidade de acolhê-la nesse momento tão difícil em vários âmbitos de sua vida. E quando a esta perseguição se acresceu o processo de difamação feito por seu ex-companheiro, militante em diversos espaços comuns à ela, Renato, permanecemos a reproduzir justamente a postura de caráter mais individualista que tanto condenamos. Educadores que somos, naturalizamos a lógica de que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, ignorando o caráter político e coletivo de sua opressão, fato inclusive já assumido e reconhecido por aquele. Como consequência, essa difamação transbordou para muito além dos limites do Gep, afetando negativamente a atuação política da mesma, fato que se continuássemos a permitir, estaríamos colaborando para mais um afastamento velado de mulheres nos espaços políticos.

Escrevemos justamente esta carta com o intuito de alertarmos as companheiras de tantos outros coletivos para este tipo de tratamento de suas denúncias ou pedidos de ajuda, bastante comum em diferentes movimentos sociais acostumados a alegar que sempre existe um assunto mais importante a ser tratado, mas também para mostrar o quanto é fundamental que na luta pelo poder popular nós reconheçamos nossos equívocos, façamos nossas autocríticas sinceramente a fim de que possamos avançar desconstruindo nossos privilégios e afirmando a diversidade presente nela. Nesse sentido, cada militante do Gep reafirma o seu compromisso na construção de mecanismos de apoio mútuo e acolhimento entre nós, elementos fundamentais a militância, e salienta sobretudo que a participação da companheira Ana é de extrema importância para o coletivo e para a luta de forma geral. Confiamos plenamente em você e sentimos muito mesmo por todo o ocorrido!

Quantas mulheres teriam desistido da luta, afinal, por terem suas reivindicações invisibilizadas? Quantas mulheres já teriam passado por situações muito semelhantes e sobre elas teria recaído o estereótipo de bruxa, louca, ou de má militante? Que todxs nós repensemos nossas práticas e nos apoiemos verdadeiramente no que diz respeito tanto as questões de ordem classista, quanto de gênero e racial, dentre outras. Pois somente assim, poderemos enfim, resistir e construir um mundo melhor, um mundo sem medo, e efetivamente solidário.

Carta aberta da formação do GEP Mulheres

Porque de nada adiantará libertar as correntes da nossa exploração, sem que libertemos tantas outras correntes invisibilizadas ao longo da nossa luta. A opressão contra as mulheres é uma destas, e por isso, considerando o debate sobre gênero, resolvemos nos organizar para refletirmos sobre o tema e pensarmos em formas de atuação que combatam o machismo mais entranhado em nossas vivências. Eis, abaixo, a carta de fundação do GEP-Mulheres (nome provisório). Esperamos que ela auxilie na mobilização e no estreitamento dos vínculos de companheirismo e solidariedade entre tantas e tantas outras trabalhadoras dispostas a transformar o que nos cerca.

“Estimadas Companheiras,

Temos estado juntas, lado a lado, em nossa luta nas ruas, nas escolas e nas ocupações. Temos compartilhado, dia após dia, a esperança por um mundo livre da exploração de uns por outros, e os passos necessários para a construção do novo, mais igualitário e efetivamente justo. Somos trabalhadoras, somos mães, mulheres e negras que optaram pela luta popular, em terra de pacificação autoritária, de silenciamento por perseguição e morte, de dominação ideológica e pela coação, branca, masculina e heteronormativa. Sofremos em nosso cotidiano, em cada relação que estabelecemos, as mais diversas formas de opressão, tão sutis e tão gritantes, mas sempre comuns a todas as nossas histórias. E percebemos, por fim, que a indignação que mora dentro de nós jamais será menor que qualquer outra indignação, precisando ganhar corpo, organização, para a sua superação mais radical em absolutamente todos os espaços em que atuamos e estamos a ampliar o nosso movimento.
Por isso nos tem sido imperioso o esforço para a nossa auto-organização, permanente, orgânica e libertária, que reforce laços de companheirismo, cuidado e confiança entre nós. O cenário que se apresenta resguarda, para além da mercantilização e da apropriação de nossos corpos e vidas, problemas típicos da dominação capitalista, referências públicas masculinas, pouca participação e intervenção das mulheres em fóruns ampliados e deliberativos, e um estímulo à competição entre nós. Da falta desta discussão sobre gênero, se perpetuam, internamente e externamente ao nosso movimento, históricos privilégios, muitas vezes presentes de maneira combativa em discursos, mas de forma reprodutora na prática, que acabam por reafirmar a dominação inconciliável, é fundamental que se ressalte, com a nossa luta. Negligencia-se, ainda, as nossas demandas mais específicas, como a de creches durante as nossas atividades, bem como se impõe um padrão de comportamento referendado em paradigmas historicamente masculinos, de força e virilidade, que acarreta na estigmatização de outras formas de agir. A falta mesmo desta reflexão aliada ao machismo mais entranhado no senso comum, tem promovido expulsões veladas de mulheres dos movimentos como um todo, incluindo o nosso, o que mostra o caráter de urgência desta nossa iniciativa.
Sem armas entre nós e sem amarras, instituindo uma relação de apoio mútuo que garanta a nossa mais diversa forma de atuação, pretendemos tornar efetivo o protagonismo das mulheres exploradas e oprimidas. Pretendemos envolver o coletivo do GEP, dentre outros coletivos, no comprometimento com essa luta e reflexão, pensar na criação de mecanismos para a superação de crises relacionadas à opressão de gênero, e pretendemos, por fim, pensar em metodologias de intervenção social que garantam a eficiência daquilo que queremos comunicar e combater.
Algumas de nós, motivadas por indignações em demasiado latentes e legítimas, decidimos conversar sobre esta proposta no último sábado, dia 25/10, compartilhando as nossas motivações para a criação deste espaço e apontando algumas iniciativas importantes para que se rompa com o receio que algumas companheiras trazem consigo sobre a participação e envolvimento neste tipo de luta. Se pararmos para pensar, receio este que pode estar escondendo um padrão machista de pensamento, que pode considerar um caráter secundário a esta questão social, ou considerar, ainda, que não seremos capazes de manter a discussão em seu caráter político essencialmente. Lembremos que somos um Grupo de Educação Popular que se propõe a construir experiências e uma militância autogestionadas, e que, portanto, acredita na contribuição de cada um dos indivíduos envolvidos para o fortalecimento da coletividade e de um outro projeto de sociedade. Assumamos o protagonismo que nós mesmas reivindicamos em nosso discurso! De forma fraterna e transparente, convocamos à reflexão cada uma de nós, afim de que superemos tais questões e caminhemos rumo à nossa própria liberdade. Se pararmos para pensar, aquilo que é injustiça só se transformará se, e somente se, passar pela militância de nossas mentes e mãos. Nos fortaleçamos e lutemos por uma outra ordem, companheiras!

Um forte abraço em cada baderneira!”

“Em uma sociedade sustentada pela mentira, qualquer opressão de verdade é vista como loucura” – Emma Goldman

SOBRE A IDEIA DE EDUCAÇÃO POPULAR…

Quando pensamos no GEP (Grupo de Educação Popular) podemos pensar de forma automática algumas questões básicas: o que seria educação popular? Como surgiu? Qual sua história? Será feito um breve histórico de quando a educação popular surge no Brasil, o contexto social e politico, além de uma noção básica do que trata. Lembrando ser um tema complexo e com muitas variações.

A educação popular como um movimento social emergiu no fim dos anos 1950, articulando suas ações a outros movimentos sociais. Segundo o intelectual Miguel Arroyo, não podemos pensar o surgimento e o desenvolvimento da educação popular na prática sem refletir a respeito da trajetória do pedagogo Paulo Freire e o contSOBRE A IDEIA DE EDUCAÇÃO POPULAR…

exto em que viveu nesse período.

Não podemos identificar e analisar algum movimento social sem pontuá-lo historicamente segundo seu contexto político e social da época. As diversidades de coletivos sociais sejam eles voltados aos problemas de cunho racial, de gênero, urbano, rural, dentre outros, possuem relações com a educação popular.

Os movimentos sociais voltados à educação popular são uma forma de mobilização da sociedade civil cuja cultura política se constrói a partir da militância educativa e pedagógica, no intuito de propor uma nova ordem social, com uma reflexão crítica da sociedade junto às classes subalternas. Segundo Freire e Nogueira, a educação popular se caracteriza pelo esforço de mobilização e de organização associado à transformação e à mudança, no sentido de construir uma escola de outra forma. Para os autores, existe uma estreita relação entre escola e vida política, e o conhecimento de mundo seria construído através da prática; a partir dessas práticas que seria “inventada” uma educação familiar às classes populares (FREIRE; NOGUEIRA, 1993).

Para concluir vale ressaltar, mais uma vez, a estreita relação entre educação e os movimentos sociais são fundamentais no debate sobre o tema da educação popular. Segundo Arroyo, os movimentos sociais ajudam a reeducar a educação formal, nos obrigando a repensar e radicalizar a área das políticas em educação seja na formação de professores, no currículo, ou qualquer outro tema. Uma das questões centrais de Arroyo é em que medida os movimentos sociais conseguem redefinir a ordem estabelecida e o papel dos educadores e educandos nesse processo pedagógico. Tal reflexão fica para um futuro debate…

REFERÊNCIAS:

ARROYO, Miguel. Os movimentos sociais reeducam a educação (pp: 29 – 45). In: ALENTEJO, Paulo Roberto Raposo; ALVAGENGA, Márcia Soares; NASCIMENTO, Renato Emerson; NOBRE, Domingos (Orgs.). Educação popular, movimentos sociais e formação de professores – outras questões, outros diálogos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que fazer – Teoria e Prática em educação popular. 4ª Edição. Editora Vozes, 1993.

A luta continua! (Gep – educação pública)

GEP – Grupo de Educação Popular – Educação Pública.

A LUTA CONTINUA!

Inúmeros foram os golpes contra nós, trabalhadores e trabalhadoras da educação, MAS DECLARAMOS EM ALTO E BOM SOM QUE PERMANECEREMOS DE PÉ! Enfrentamos um Estado ditador, que nos massacra cotidianamente em nossas escolas, nos impõe metas e nos corta os salários. Nos cobra educar com qualidade e nos oferece somente 50 minutos de tempo em disciplinas como sociologia, filosofia e espanhol, 20 turmas, 5 colégios e mais de 600 alunos para tal. Enfrentamos a repressão policial, que nos espancou, arrastou-nos pelos chãos das ruas que foram e são nossas, e que nos jogou gases e bombas em meio a uma tentativa vã de nos pulverizar, aterrorizar, fazer-nos sumir da luta. Enfrentamos grande parte da direção desse sindicato, que nos impunha o dia 27 de junho enquanto marco de todos os rodos que tomamos na história atual do SEPE, que optou por priorizar a sua atuação frente às eleições burguesas, das quais estão acostumados a participar em meio ao aparelhamento que promovem diante da burocracia sindical, como forma de perpetuação de seu único e exclusivo poder neste espaço. Enfrentamos as direções de nossos colégios, os professores conservadores, as novas portarias e processos administrativos, e depois de um processo intenso e heroico de luta dxs educadoxs, enfrentamos o nosso próprio cansaço. Alguns companheiros foram caçados, presos, torturados, inclusive três companheiros do próprio GEP-Educação Pública, mas centenas de outros mais foram perseguidos e estão ameaçados de demissão. E, ainda que diante dessa dura repressão, fundamental mesmo é termos a clareza sobre o que nós, a base aguerrida e comprometida desta categoria, representamos atualmente no Estado do Rio de Janeiro e no Brasil.
Nós somos a resistência sindical, a resistência às diversas formas de opressão e exploração, a resistência que, organizada, vem se educando e se mobilizando como povo e com o povo para a revolta. Nosso papel histórico tem sido e será fundamental em meio ao novo cenário que vem se desenhando diante de nós, onde a repressão se aprofunda na medida em que demonstramos a nossa força, e é preciso, mais do que nunca, para garantirmos as nossas conquistas, defendermos a solidariedade entre os companheiros e companheiras, a unidade entre as redes de ensino e entre diversas outras categorias e movimentos sociais e a continuidade da luta no chão da escola, no próprio sindicato e sobretudo nas ruas. Cada vez mais os trabalhadores e trabalhadoras têm exigido seu direito de decidir, de participar e de não delegar seu poder a outrem, de lutar e fortalecer a coletividade, combatendo formas hierárquicas e burocráticas do sindicalismo de Estado, e é preciso estarmos juntos à este movimento reivindicatório, a esta forma de empoderar pessoas.
Aos compas cansados, que consigamos fomentá-los o fôlego. Àqueles desesperançados, que levemos o nosso exemplo de coragem, de permanência diante das dificuldades, de comprometimento para com os que nos cercam. Aos que se deixaram abater pelo medo do Estado, que levemos a consciência de que a luta, quando efetivamente frutífera, é considerada ameaça real aos governos, mas que juntxs, somos e sempre seremos mais fortes do que se pode imaginar. E aos que ainda não se engajaram neste movimento de transformação social, que levemos a liberdade! Sigamos juntos, amigos e amigas que nos tornamos, em nossa longa e satisfatória caminhada. O poder popular não é ideia distante, mas processo concreto diário, que segue sendo construído pelas nossas inúmeras e justas mãos. Lutemos!

O CENÁRIO DA REPRESSÃO.

Pelo terceiro mês seguido centenas de educadoras e educadores que participaram da greve de 2014 tiveram descontos realizados pela Prefeitura e pelo Governo do Estado do Rio. Como nos meses anteriores, muito tiveram todo o seu salário roubado pelos opressores do povo e não possuem condições de trabalhar, pegar ônibus, pagar aluguel e sustentar seus filhos. Além disso, a Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC) continua desrespeitando a própria justiça burguesa que determinou a imediata devolução das vagas nas escolas ocupadas pelos grevistas antes da greve. Centenas de profissionais da educação perderam a sua lotação, isto é, as escolas onde trabalhavam, sendo expulsos desses locais e substituídos por fura-greves ou novos contratados e concursados. Estas punições visam, claramente, intimidar os trabalhadores, perseguir o movimento sindical, difundir o medo e impedir que novas lutas aconteçam no presente e no futuro. Infelizmente, diante deste cenário que já estava sendo desenhado, a direção do SEPE preferiu encerrar a greve no momento errado, acreditar nas corriqueiras promessas de deputados e vereadores, se lançar na disputa eleitoral burguesa (mais de 10 diretores são candidatos ao Estado burguês), fazer jornal especial sobre as “eleições 2014″, dividir a luta e fóruns de discussão da nossa categoria entre Município e Estado, e retirar nosso sindicato da luta e das ruas.
Após a primeira assembleia realizada depois do fim da greve, um Comitê de Mobilização pela Base foi criado e várias ações já foram realizadas, como debates, eventos para arrecadar verba para cobrir os descontos, denúncias públicas, etc. Devemos fortalecer este espaço, eleger os representantes de escola, fazer assembleias nos locais de trabalho, criar os comitês escola-comunidade e mobilizar os demais profissionais da educação, alunos e pais para a reflexão sobre o cenário da educação atual e sobre a necessidade da luta frente ao sucateamento, a reprodução das opressões dentro do espaço escolar, e ao descaso, de uma maneira geral, por parte do Estado. O momento é de fortalecimento, de coragem, de organização. São as nossas vidas e o futuro da luta que estão em questão.

NÃO ACABOU, TEM QUE ACABAR, EU QUERO A PM FORA DO ESPAÇO ESCOLAR!

“A data é 13 de maio, mas de 2014. Um aluno me contou que, no pátio de sua escola, um policial o teria abordado por estar ouvindo funk, com seus amigos. “Você está maluco em ouvir isso aqui perto de mim? Você não tem noção do perigo? Sai daqui, agora!” – disse o PM. E meu aluno, calado, cabeça baixa, resolve sair. Na sala de aula, me revela o medo que tem da instituição policial, tanto na escola, quanto no lugar onde mora. A reprodução desta repressão se expande, como mágica, para seu colégio. Como mágica? Decido contar o caso para amigos professores, que me relatam outros episódios e falam sobre a presença do policial em momentos de conflito com a direção do colégio. Conflito de visão pedagógica, é importante ressaltar. E o PM, convocado por tais direções, fica ali, rondando o espaço, fazendo parte de um cenário de intimidação daqueles que discordam. Em outra sala de professores, PMs decidem fincar seu espaço, e são pegos fiscalizando a folha de ponto dos educadores e educadoras daquele local. Estão sem uniforme e armados. Há gravações comprobatórias deste fato. Ao serem questionados, por todo este contexto, se expressam: “Vocês falam demais! Se não querem proteção, quando um bandido tiver aqui no corredor e vocês me gritarem, eu não vou subir”. Alguns professores respondem que não é para subir mesmo não, e seu olhar em resposta gera medo, intimidação.” (Relato de uma professora da Rede Estadual).

A partir do relato desta educadora, é fundamental que se resgate o papel da escola na vida dos jovens e dos profissionais da educação, por que não? Afinal, queremos uma escola intimidadora e silenciadora das vozes pobres, faveladas, ou uma escola que liberte, crie autonomia e senso crítico, e que empodere a classe trabalhadora deste país? Neste sentido é que a luta pelo fim da PM nas escolas é imperativa no atual contexto de repressões à nossa luta! É preciso lutar a cada dia que passa, para que a escola não seja prisão, para que os alunos e alunas tenham seu direito a organização resguardado, para que os educadores e educadoras possam desempenhar seu papel sem ameaças, cada vez mais reais e violentas. É preciso que a luta pelo fim da Polícia Militar adentre também os muros das escolas!
Enquanto isso, o secretário de educação Wilson Risolia afirma:

“É mais um investimento que fazemos na rede estadual. Trabalhamos intensamente durante quatro meses nessa parceria, que considero essencial. Os policiais têm que ser exemplo para essa garotada que está em nossos colégios. Essa ação mostra, mais uma vez, a parceria entre as áreas do Governo em prol do cidadão.” – afirmou o secretário de Estado de Educação Wilson Risolia. (fonte: http://www.conexaoprofessor.rj.gov.br/fique.asp?EditeCodigoDaPagina=8994).
“Peço desculpas pela franqueza, mas, aos críticos, vai a minha certeza de que para determinadas situações, o diálogo passa a ser uma versão semântica de um romantismo que não existe mais, infelizmente” – diz, Wilson Risolia (fonte: http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=941225).

E a ele afirmamos que exemplos sempre serão os guerreiros e guerreiras que lutam e lutaram historicamente contra as opressões no mundo, que precisamos de mais investimentos em infraestrutura nos colégios e nos trabalhadores e trabalhadoras da educação, e que, se para ele o diálogo é romantismo, enfrentaremos sua forma de lidar com o povo na justa medida que ele vem defendendo. Não acabou, tem que acabar!!!!

CAMPANHA PELO FIM DOS INQUERITOS QUE CRIMINALIZAM OS MOVIMENTOS SOCIAIS.

Lutar não é crime! De fato, há poucos anos atrás muitos de nós pensávamos que se manifestar e se organizar era um direito assegurado pela lei ainda que burguesa. Pensávamos que vivíamos em um país democrático e até mesmo que as eleições eram a nossa principal arma para a transformação social, até surgirem as Jornadas de Junho e Outubro, e, agora, o movimento Não Vai Ter Copa. Caiu a ficha, para muitos, de que são as nossas mãos que transformam a sociedade, de que legítima mesmo é a nossa indignação, nossa revolta. Incomodamos e permaneceremos a questionar as arbitrariedades e ilegalidades deste Estado autoritário, e, pela nossa bravura e solidariedade entre nós, fomos presos e estamos sendo perseguidos. É fundamental que se perceba que, neste processo, algumas figuras dentre nós, militantes que somos, foram escolhidas como bode expiatório para a disseminação do medo, que costuma paralisar, retrair a atuação dos movimentos sociais. E responder a esta ação dos governos com silêncio e imobilismo somente mostra que nos dominar e coagir é fácil como imaginam. Inquéritos policiais criam histórias, perseguem pessoas e instituições historicamente resistentes da classe trabalhadora, inclusive, dentre elas, o próprio SEPE, e não podemos permitir que essa criação fantasiosa seja soberana à nossa própria liberdade. É fundamental, portanto, que a nossa categoria encabece um movimento contrário a criminalização dos movimentos sociais e pelo fim dos inquéritos policiais contra as organizações dos trabalhadores e trabalhadoras e companheiros e companheiras engajados na luta pela educação popular de qualidade e por uma sociedade mais justa e igualitária.

Carta do Pré-Vestibular do GEP pelo direito de lutar!

images

Carta escrita por alunas e alunos do Pré-Vestibular Comunitário Machado de Assis, na Providência, organizado pelo GEP.
Lutar não é crime!
Liberdade e anistia para todxs xs presxs e perseguidxs!

 

Durante o período de um ano, vemos a população agonizar e pedir
melhorias urgentes nos vários âmbitos da sociedade. Buscávamos
construir um país melhor e voltado para as minorias e excluídos.
No entanto, durante esse tempo, vários revolucionários foram
perseguidos e seu ”grito libertário” oprimido covardemente.

É notório o medo de vários governantes frente à possibilidade de
ver seu poderio ameaçado. Diante disso, várias perseguições se
tornaram frequentes, a fim e inibir a luta dessa classe libertária.

Muitos tiveram sua ideologia massacrada, seus pensamentos e
direitos ignorados e perspectiva de futuro ameaçada só por estarem
buscando e lutando por aquilo que acreditam.

Entretanto, mesmo existindo tais atos de covardia, é relevante
termos em mente que somente por meio do pensamento crítico, da luta
incessante e da busca pela igualdade é que formaremos o país que
queremos e sonhamos.

Portanto, não nos sintamos intimidados pelo calar de algumas
vozes, pois o nosso clamor é imbatível e nosso grito de liberdade há
de ecoar por todo país.

Direção abandona assembleia e a base se organiza

10409456_661059793975248_8793448582060055683_n Na última assembleia do SEPE, um acontecimento marcou a todas e todos que estavam presentes. Após ser aprovada a proposta encaminhada pela base da categoria de se criar um Comitê de Mobilização (eleito nas assembleias regionais com membros da base e da direção) para articular a resistência contra as demissões e descontos que tem atacado os trabalhadores da educação, a direção do SEPE encerrou a assembleia e se retirou do local. Revoltada, mais da metade da categoria permaneceu no lugar e deu prosseguimento à assembleia. Mesmo sem microfone, retirado pela direção, as trabalhadoras e trabalhadores conversaram e decidiram pôr em prática o que foi decidido em assembleia, antes do golpe. Se organizaram em núcleos por regionais, pensaram formas de luta e puxaram uma plenária do Comitê de Mobilização para o próximo sábado, às 14, em local a se definir.
Mesmo com todas as dificuldades, com uma greve encerrada num golpe e com todos os ataques dos governos, estamos vivendo um momento de amadurecimento e mudanças na luta das educadoras e educadores. Cada vez mais a categoria exige seu direito de decidir, de participar, de lutar, combatendo as formas hierárquicas e burocráticas do sindicalismo de estado. Fica claro para todas aquelas e aqueles que estão no chão da escola, que não tem privilégios e conchavos com ninguém, que estão descontados, perseguidos, ameaçados, que não se pode delegar o poder ao outro e que para termos uma luta forte é necessário garantir e construir formas de poder que fortaleçam o coletivo, a coletividade, que afirmem o poder popular.

Foto: Anderson Freitas

Teleférico para quem? Panfletagem na Providência/central quinta às 17h.

DSC_0278 Nesta quarta-feira, dia 02/7, a prefeitura inaugurou o Teleférico da Providência. Uma festa eleitoral, debochando dos bilhões gastos com o dinheiro do povo, foi montada, enquanto a comunidade continua enfrentando problemas sérios como falta de escola e hospitais, falta d´água, esgoto na rua, remoção dos camelôs e moradias, entre outras coisas. Nesse sentido, o Pré-Vestibular Comunitário Machado de Assis, do GEP, fará uma panfletagem amanhã para iniciar um diálogo com as pessoas que trabalham e moram na área da Central e debater as contradições presentes na inauguração do teleférico e o que ele traz consigo.

Ponto de encontro: 17hrs na clínica da família, que funciona na base do teleférico da Gamboa, logo na saída do túnel de quem vem da Central.

Convidamos, especialmente, moradoras e moradores da região portuária e do Morro da Providência. Vamos apresentar nossas reais necessidades: moradia, saúde, educação, emprego, liberdade.